CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

sábado, 10 de julho de 2021

ANVISA ALERTA PARA RISCO RARO DE INFLAMAÇÃO CARDÍACA  APÓS VACINA DA PFIZER

Após comunicado de reguladores americanos, agência informa sobre possível relação entre tecnologia usada pela Pfizer e casos de miocardite registrados fora do Brasil. Órgão mantém recomendação de aplicação de imunizante no país.
OVAX FACILITY
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) alertou em um comunicado na sexta-feira (9) que foram registrados casos de inflamação cardíaca após a vacinação contra covid-19 com o imunizante da Pfizer/BioNTech nos Estados Unidos. Destacando se tratar de uma ocorrência rara, a agência brasileira ressaltou que mantém a recomendação de continuidade da aplicação da vacina no país.
O comunicado afirma que até o momento não há relato de casos dessas possíveis complicações no Brasil. A Anvisa recomenda aos profissionais de saúde que “fiquem atentos e perguntem às pessoas que apresentarem sintomas se elas foram vacinadas, especialmente com a vacina da Pfizer". O imunizante é responsável por 9,2% de todas as vacinas aplicadas no Brasil, porcentagem que equivale a 9,6 milhões de doses.
A comunicação da agência vem após a FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos) informar na quarta-feira (7) que vai adicionar um alerta sobre casos raros de inflamação cardíaca em adolescentes e adultos jovens às fichas técnicas das vacinas da Pfizer e da Moderna contra a covid-19. A última não possui registro da Anvisa para uso no Brasil.
Grupos que aconselham o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) apontaram que casos raros de miocardite em adolescentes e jovens adultos após a vacinação provavelmente estão ligados a inoculações com os dois imunizantes, que usam a tecnologia de RNA mensageiro.
Identificar e investigar possíveis efeitos adversos da vacinação é um procedimento padrão, uma vez que esses efeitos nem sempre aparecem nos ensaios clínicos que antecedem o uso em campanhas de larga escala. Dada a rigidez dos protocolos científicos exigidos para a aprovação de um imunizante pelas agências reguladoras, essas ocorrências são raras e costumam ser, quase em sua totalidade, brandas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK