CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

terça-feira, 9 de junho de 2020

ANTICORPOS DE VACAS PODEM SER A MAIS NOVA ARMA CONTRA COVID-19

Em laboratório, técnica se mostrou até quatro vezes mais eficaz do que o uso de plasma de humanos curados.
Em meio à corrida por um tratamento ou vacina contra a Covid-19, uma nova técnica está sendo desenvolvida em um lugar incomum: pastos. A empresa de biotecnologia americana SAb Biotherapeutics anunciou que começará em breve os testes clínicos de um tratamento contra o SARS-CoV-2 que envolve anticorpos produzidos por
vacas.
Anticorpos são substâncias fabricadas naturalmente pelo nosso corpo – e pelo corpo de outros animais – quando um microrganismo é identificado pelo sistema imune. Cada anticorpo possui um formato específico para se ligar a uma parte do invasor (como uma proteína do vírus, por exemplo) e neutralizá-lo. Vacinas, por exemplo, conseguem fazer com que nosso corpo produza anticorpos por precaução antes de termos contato com o causador da doença, o que nos torna imunes. Na falta de uma vacina, uma outra técnica é tentar injetar anticorpos prontos em nosso corpo para combater o vírus.
Várias iniciativas do tipo já estão sendo desenvolvidas. Um exemplo é o chamado plasma convalescente – basicamente, o sangue de pessoas que pegaram Covid-19 e se curaram, o que significa que possuem anticorpos para o vírus. Esse plasma resulta em um soro rico em anticorpos, que pode ser injetado em pacientes com a doença, como um exército pronto para combater o vírus.
Estudos iniciais mostraram que a prática é aparentemente segura e pode trazer bons resultados, embora ainda faltem pesquisas mais aprofundadas que cravem sua eficácia – não sabemos de fato o quão bom nossos anticorpos são, nem quanto tempo duram, por exemplo.
Outro meio que muitas empresas e laboratórios vem pesquisando é o de fabricar os tais anticorpos em laboratório, através de culturas de células. Mas essas pesquisas focam em apenas um tipo de anticorpo para ser produzido em massa, capaz de reconhecer apenas um “pedaço” específico do vírus (são chamados de anticorpos monoclonais). Utilizar animais para produzir anticorpos pode gerar uma variedade de substâncias diferentes, chamados anticorpos policlonais, que podem reconhecer várias características do invasor – algo que é mais similar ao que acontece em nosso corpo.
Segundo a empresa, as vacas são um ótimo modelo para se produzir anticorpos porque possuem muito mais sangue do que outros animais testados em técnicas parecidas (como macacos, por exemplo).
O processo de produção é mais complexo do que simplesmente injetar o novo coronavírus em vacas e depois colher seu sangue, é claro. Primeiro, as vacas precisam ser geneticamente modificadas para que algumas células de seu sistema imunológico passem a ter a mesma sequência de DNA que possibilita que humanos produzam anticorpos – assim, os anticorpos produzidos por ela serão compatíveis com o nosso organismo.
Depois, as vacas recebem um pedaço do material genético do vírus para seu sistema imunológico se preparar e conseguir defender o organismo. Por fim, proteínas virais são injetadas nos animais, que começam a produzir anticorpos específicos para elas. Segundo a empresa, todo o processo dura sete semanas – o que é relativamente rápido.
Em testes em laboratório, o soro resultante, chamado de SAB-185, foi até quatro vezes mais efetivo em neutralizar o vírus do que o plasma convalescente de humanos, segundo informações divulgadas pela própria empresa – um número bastante promissor para um novo tratamento.
O sucesso pode ser explicado, em partes, pelo fato de a empresa não testar algo totalmente novo: antes do surgimento do novo coronavírus, a técnica já havia sido usada com sucesso para produzir anticorpos contro a Síndrome Respiratória do Oriente Médico (MERS), doença causada por um outro coronavírus do mesmo grupo do SARS-CoV-2, além de outras infecções virais.
Vale lembrar, porém, que os testes em humanos ainda não começaram, e nem tudo que funciona em laboratório também têm resultados positivos em nosso organismo. Até agora, nenhum tipo de tratamento baseado em anticorpos de animais foi aprovado. A empresa anunciou que começará os experimentos nas próximas semanas, com o objetivo de descobrir se os anticorpos podem ser utilizados para garantir prevenção temporária ao vírus em pessoas saudáveis.




Fonte: superinteressante

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK