CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

ASSISTANCE: PROTEÇÃO VEICULAR COM CARRO RESERVA E REBOQUE LIVRE -  (73) 98158-5607 

DISK GÁS: 77-98119-1906 (FONE/ZAP)

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

domingo, 20 de outubro de 2019

VAZA ÓLEO : COLISÃO DE NAVIOS COM PETRÓLEO DA SHELL EM 2017 NÃO FOI RELATADA AO BRASIL

 
Uma das hipóteses consideradas para explicar o petróleo chegando sem parar à costa do Nordeste brasileiro é um algum acidente não informado às autoridades brasileiras envolvendo um ou mais navios-tanques. Há pelo menos um precedente, e recente. Uma colisão entre dois navios-tanques que transferiam petróleo da Shell no mar aconteceu no litoral brasileiro em julho de 2017 e não foi relatada a quem de competência no Brasil. 
O petróleo que ora emporcalha as praias do Nordeste, segundo conclusão de análise feita pela Universidade Federal do Sergipe, é o mesmo encontrado em barris da Shell que também apareceram na costa nordestina nas últimas semanas. 
O acidente de julho de 2017 aconteceu durante uma transferência de petróleo de navio para navio (ship-to-ship, no jargão do setor) conduzida pela maior empresa do mundo especializada neste tipo de operação, a Fendercare Marine, britânica como a Royal Duth Shell. Quem descobriu que o acidente aconteceu e não foi relatado às autoridades brasileiras foi a agência de notícias Reuters. Questionada, a Shell disse que tudo foi apenas um “abalroamento leve”. Questionada, a STS Knutsen NYK Offshore Tankers, uma joint-venture belga-nipônica que é a segunda maior operadora de navios-tanques do mundo, e que operava os navios envolvidos no acidente, a Knutsen disse à Reuters que não havia necessidade de informar porque não houve impacto ambiental e os danos foram pequenos. Um dos navios envolvidos no “abalroamento leve” sofreu danos da ordem de um milhão de dólares.

 Monitoramento ‘Frouxo’ 

 A Reuters publicou com exclusividade a informação sobre este acidente em novembro do ano passado. Na época, a Marinha do Brasil disse que havia registrado 59 operações de transferência de petróleo ship-to-ship na costa brasileira até o dia 30 de outubro de 2018. A Reuters, porém, rastreou 65 operações deste tipo no mesmo período – e só aquelas que envolveram petróleo da Shell. 
Segundo projeção da OceanPact, empresa que lida com derramamentos de petróleo no mar, o número de transferências de petróleo entre navios no Brasil pode chegar a 300 em 2022. 
Ao contrário de outros países, o Brasil não exige que haja representantes da marinha acompanhando cada uma das operações ship-to-ship realizadas em suas águas territoriais, e o monitoramento dessas operações de alto risco pelo Estado brasileiro é, na palavra usada pela Reuters, “frouxo”.

3 comentários:

  1. FAZ-SE NECESSÁRIO APURAR OS FATOS A FIM DE VERIFICAR SE NÃO HOUVE PAGAMENTO DE PROPINAS, PARA CALAREM AS BOCAS DAS TESTEMUNHAS DESSE CRIME AMBIENTAL. ESSE É O PAÍS DA CONIVÊNCIA ONDE UMA MESMA SITUAÇÃO TEM DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS.

    ResponderExcluir

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK