CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

ASSISTANCE: PROTEÇÃO VEICULAR COM CARRO RESERVA E REBOQUE LIVRE -  (73) 98158-5607 

DISK GÁS: 77-98119-1906 (FONE/ZAP)

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

terça-feira, 10 de setembro de 2019

JUSTIÇA FEDERAL ASSEGURA POSSE DE FAZENDA AOS ÍNDIOS DO CACHIMBO, SITUADOS EM RIBEIRÃO DO LARGO.

A 1ª vara da Justiça Federal, em Vitória da Conquista, proferiu sentença assegurando posse aos índios do Cachimbo em área situada à beira do Rio Pardo, no Município de Ribeirão do Largo.
A demanda nasceu inicialmente na Justiça Estadual, comarca de Encruzilhada, movida pelos autodeclarados proprietários da terra em relação aos índios, sob o argumento de invasão em fevereiro deste ano de 2019. O juiz estadual concedeu liminar para desocupação imediata. Antes de cumprida a ordem pela polícia militar, a procuradoria federal que representa a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), que tem natureza de ente fundacional autárquico, interveio no feito e requereu o deslocamento da causa para a Justiça Federal, o que foi acolhido pelo magistrado estadual em face do que ordena a Constituição.
Na Justiça Federal, o juiz federal João Batista de Castro Júnior não confirmou a decisão do juiz estadual, revogou a liminar e determinou a citação da comunidade indígena através da procuradoria federal.           
No desenrolar da demanda, entretanto, surgiram integrantes do Movimento Sem Terra do
Acampamento Terra à Vista com o argumento de que também já ocupavam imóvel em completa independência com a postulação dos indígenas, e pediram ao juiz que não desse à comunidade indígena a totalidade da ocupação territorial.
Em nova decisão, foi assegurada proteção possessória aos índios e mantidos os membros do MST na área por eles ocupadas, contígua à daqueles.
Foi designada audiência de conciliação  a que compareceram proprietários e seus advogados, comunidade indígena assistida pela procuradoria federal através do procurador Igor Mendonça,  integrantes do Movimento Sem Terra defendidos pelo advogado Alexandre Xandó, Ministério Público Federal, através do procurador André Sampaio, e Defensoria Pública da União, representada pelo defensor Deraldino Araújo, além de representante da Secretaria dos Direitos Humanos do Estado da Bahia, lideranças do MST, antropólogos da FUNAI.
Na ocasião, a comunidade indígena entrou em acordo com os integrantes do MST quanto à delimitação da área a ser ocupada por cada um deles, até porque, como consta da sentença, há cruzamentos genealógicos entre os dois grupos, até mesmo na origem do aldeamento no século XVIII, controlado por missionários capuchinhos, que teria nascido composto também de africanos.  Os proprietários, entretanto, recusaram-se a formular qualquer proposta de acordo.
O Ministério Público Federal, com atuação obrigatória nesse tipo de causa, pediu prazo para apresentar Relatório Antropológico, o que foi concedido pelo juiz federal, que, em seguida a essa diligência, proferiu sentença argumentando que as provas documentais históricas apontam para a preexistência da comunidade indígena no Cachimbo naquela área, sendo que os alegados proprietários nunca apresentaram uma cadeia sucessória com a história da titularidade dominial do bem de forma a aferir se não houve uma montagem cartorial para validar uma apropriação na origem, responsável por expulsar os índios da sua terra.
Na sua decisão final, o magistrado ainda afastou qualquer interferência positiva de sentença favorável obtida pelos proprietários contra a desapropriação pelo INCRA sob o fundamento de que a posse da terra pelos índios não se subordina às regulações da Reforma Agrária. Na conclusão da sentença, manteve os indígenas na terra e validou o acordo por eles celebrado com os integrantes do Movimento Sem Terra. 

Por Filipe Lima, diretor de publicidade da PROBUS e estudante de Direito (UESB)
blog Sudoeste Digital

3 comentários:

  1. No Brasil antes da colonização dos portugueses existia apenas índios que tinha suas raízes e traços definidos. Hoje temos índios loiros, negros e pardo ou seja qualquer pessoa que tiver um conhecido numa tribo pode obter um registro. É vergonhoso mais os órgãos que emitem esse documento deveria exigir mais provas para atestar a descendência.

    ResponderExcluir
  2. ASPECTOS HISTÓRICOS O nome Itambé, que no idioma tupi significa 'pedra afiada', somente foi dado ao Município quando de sua elevação a essa categoria. Anteriormente sua denominação era Verruga - por ser banhado pelo rio de mesmo nome.
    Sobre os primitivos habitantes da região pouco se conhece. É tradição corrente, porém, que no lugar conhecido por Catulé Grande, 60 quilômetros a oeste da sede municipal, teria existido um agrupamento de índios denominados Mongoiós, cujos componentes resistiram aguerridamente ao intento dos colonizadores, de se instalarem na região.
    As primeiras penetrações no território teriam sido conseqüência do desejo da Coroa Portuguesa, que, objetivando livrar o interior do isolamento em que se encontrava, projetou a construção de estradas que permitissem acesso ao litoral baiano. Foi incumbido da execução desse plano João Gonçalves da Costa, na segunda metade do século XVIII, presumivelmente em 1752.

    ResponderExcluir
  3. Nessa aldeia. Tem índio que parece africano e índio que parece alemão ou holandês. Nunca foram índios. Não conhecem a cultura. Não fazem nada lá. Esperando mamar pelas tetas do governo. Tudo preguiçoso. Só fazem bagunça. Pergunta a população de Itambé. Ninguém quer eles la. São bando de drogado. Compra droga direto no cem terra. E ne Itambé também. Quase mataram um cacique ainda. Que tava desarmado. O cacique deles era um pastor preguiçoso de Itapetinga. Deixa a maioria do pessoal tudo com fome. Enquanto ele tem fartura na sede.

    ResponderExcluir

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK