CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

ASSISTANCE: PROTEÇÃO VEICULAR COM CARRO RESERVA E REBOQUE LIVRE -  (73) 98158-5607 

DISK GÁS: 77-98119-1906 (FONE/ZAP)

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

domingo, 18 de agosto de 2019

PROMOTORIA INVESTIGA MINISTRO DO MEIO AMBIENTE POR ENRIQUECIMENTO ILÍCITO

O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para apurar suspeita de enriquecimento ilícito do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo neste sábado (17). De acordo com o jornal, a investigação está concentrada no período entre 2012 e 2017, quando alternou a atividade de advogado com cargos no governo paulista. 
A Justiça já negou duas vezes pedidos da Promotoria para a quebra de sigilo bancário e fiscal do ministro. A investigação começou em julho, após a representação de uma empresa chamada Sppatrim Administração e Participações. A empresa levantou suspeita sobre a evolução patrimonial do ministro, com base nas próprias declarações de bens que ele prestou à Justiça Eleitoral. 
Salles foi candidato a vereador de São Paulo pelo PSDB em 2012, sem ser eleito. Na época, ele
declarou R$ 1,4 milhão em bens, 10% de um apartamento, um carro e uma moto. Em 2018, quando tentou ser deputado federal pelo Novo, a declaração foi de R$ 8,8 milhões, dois apartamentos de R$ 3 milhões cada, R$ 2,3 milhões em aplicações e um barco de R$ 500 mil. O aumento foi de 335%.
A reportagem procurou o Ministério Público, que afirmou que não falaria sobre o caso por estar em segredo de Justiça. Nenhum representante do Ministério do Meio Ambiente foi localizado neste sábado. 
No período investigado, Salles atuou em cargos no governo estadual. Foi secretário particular do ex-governador Geraldo Alckmin em 2013 e 2014. Na mesma gestão, entre 2016 e 2017, foi secretário do Meio Ambiente. Neste período, recebeu entre R$ 12 mil e R$ 18 mil. 

7 comentários:

  1. Não vai investigar nada por que quem manda é Bolsonaro.

    ResponderExcluir
  2. Não vai investigar nada por que quem manda é Bolsonaro.

    ResponderExcluir
  3. Tá tudo pareado não vai da em nada.

    ResponderExcluir
  4. Já começou a roubalheira desse povo santo

    ResponderExcluir
  5. Ta na cara que Jair Bolsonaro (Aquele que caga em dias alternados)escolheu a dedo o sujeito que estava mais disposto a destruir todos os ativos ambientais do país. Ricardo Sales age como um lobista, função totalmente incabível ao seu cargo. Não cabe ao ministro do Meio ambiente atuar dessa forma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc deve ser um bosta da canhota. Amigo, o desmatamento vem ocorrendo desde 22 de abril de 1500. Larga de ser ignorante.
      Se investigar as queimadas a fundo, vão encontrar o dedo da canhota podre e escrota no meio.

      Excluir
  6. Kkkkkkkkkkk, esses comentários são hilários, eita povinho ignorante, sô!

    ResponderExcluir

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK