CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

sexta-feira, 28 de junho de 2019

OS LARANJAS DO PSL - ASSESSOR DO MINISTRO DO TURISMO É PRESO EM OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL

Membros do partido de Bolsonaro são suspeitos de indicar falsas candidatas às eleições para desviar recursos. Ministério diz que investigação não tem relação com atuação de Mateus Von Rondon no Ministério do Turismo, e PSL afirma que não houve ilegalidade.

Um assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi preso na manhã desta quinta-feira (27) na investigação da Polícia Federal sobre supostas candidaturas de laranjas do PSL em Minas Gerais. Mateus Von Rondon foi detido em Brasília.
Além Rondon, foram presos em Ipatinga um dos coordenadores da campanha de Álvaro Antônio à Câmara dos Deputados em 2018, Roberto Silva Soares, e um ex-assessor do ministro na Câmara dos Deputados, Haissander Souza de Paula.
Desde fevereiro, a PF e o Ministério Público Eleitoral investigam o PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, pelo uso de candidatas de fachada para desvio de recursos do fundo eleitoral. Promotores veem indícios de fraude em caso de mulheres que receberam volume considerável de dinheiro, mas tiveram poucos votos. A suspeita é que elas não fizeram campanha e combinaram a devolução de
recursos ao partido.
A empresa do assessor Mateus Von Rondon aparece na prestação de contas de quatro candidatas a deputada estadual e federal suspeitas de terem sido usadas como laranjas pelo PSL de Minas.
Ao todo, Lilian Bernardino, Naftali Tamar, Débora Gomes e Camila Fernandes declararam ter pago quantia de R$ 32 mil à empresa de Von Rondon. De acordo com a PF, ao que tudo indica, a empresa foi criada só para esta finalidade, pois foi fechada logo após o fim das eleições.

Policiais chegaram por volta de 5h40 na residência do assessor, em Brasília. Ele foi encaminhado para a superintendência da Polícia Federal em Brasília por volta das 7h40.

Desde fevereiro, a PF e o Ministério Público Eleitoral investigam o PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, pelo uso de candidatas de fachada para desvio de recursos do fundo eleitoral. Promotores veem indícios de fraude em caso de mulheres que receberam volume considerável de dinheiro, mas tiveram poucos votos. A suspeita é que elas não fizeram campanha e combinaram a devolução de recursos ao partido.
A empresa do assessor Mateus Von Rondon aparece na prestação de contas de quatro candidatas a deputada estadual e federal suspeitas de terem sido usadas como laranjas pelo PSL de Minas.
Ao todo, Lilian Bernardino, Naftali Tamar, Débora Gomes e Camila Fernandes declararam ter pago quantia de R$ 32 mil à empresa de Von Rondon. De acordo com a PF, ao que tudo indica, a empresa foi criada só para esta finalidade, pois foi fechada logo após o fim das eleições.
Policiais chegaram por volta de 5h40 na residência do assessor, em Brasília. Ele foi encaminhado para a superintendência da Polícia Federal em Brasília por volta das 7h40.
De acordo com as investigações da PF, Roberto Silva Soares é suspeito de negociar devoluções de quantias pelas candidatas suspeitas. Ele é o atual primeiro-secretário do diretório do PSL em Minas.
Além disso, o irmão dele, Reginaldo Donizete Soares, é sócio de duas empresas (I9 Minas e a Imagem Comunicação) que figuram como prestadoras de serviços eleitorais (pesquisas e publicidade) às candidatas investigadas. De acordo com a PF, a I9 Minas não funcionava havia menos dois anos, mas de acordo com informações disponibilizadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as duas empresas teriam recebido R$ 44,9 mil de duas candidatas.
Ainda segundo as investigações da PF, Haissander, que na época trabalhava como assessor do gabinete Álvaro Antônio na Câmara do Deputados, também cobrava das candidata suspeitas a devolução da verba pública de campanha para destiná-la a uma empresa ligada a outro assessor político (a gráfica do irmão de Robertinho).
A PF deflagrou a operação em Aimorés e Ipatinga, na Região do Vale do Rio Doce, e em Brasília. Chamada de Sufrágio Ostentação, a ação cumpre mandados de prisão temporária e de busca e apreensão.
Os suspeitos são investigados pelos crimes de falsidade ideológica eleitoral, emprego ilícito do fundo eleitoral e associação criminosa.
O que dizem os citados
O Ministério do Turismo disse que "é importante esclarecer que não há qualquer relação entre a investigação da Polícia Federal e as funções desempenhadas pelo assessor especial Mateus Von Rondon no Ministério do Turismo. O órgão aguarda mais informações para se pronunciar sobre o caso".
O PSL divulgou nota dizendo que as contas de campanha foram aprovadas pelo TSE e que "tudo foi feito dentro da legalidade". "Todos os partidos políticos do Brasil tiveram candidatas cujo resultado nas urnas foi aquém da expectativa. Só podemos classificar essa como uma investigação seletiva, com o objetivo de atingir o partido ao qual o Presidente da República é filiado, embora ele não tenha nada a ver com isso."
O G1 tenta tenta contato com os demais citados.
Como surgiram as investigações
O caso veio à tona com uma reportagem do jornal "Folha de S.Paulo", em fevereiro, que dizia que o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, direcionou R$ 279 mil a quatro candidatas suspeitas de serem laranjas. Durante as eleições de 2018, ele era o presidente do PSL em Minas.
Uma dessas candidatas, Adriana Maria Moreira Borges, disse ao MP que recebeu uma proposta de Roberto Silva Soares – que foi preso nesta quinta. Segundo ela, Soares afirmou que o partido repassaria a ela R$ 100 mil. Adriana poderia ficar com R$ 10 mil e, em troca, entregaria nove cheques em branco para que fossem usados para pagar despesas de outros candidatos. Adriana disse, no mesmo depoimento, que não aceitou as condições e que acabou recebendo do partido R$ 4 mil.
Na época, Roberto Soares negou as acusações. "Posso te afirmar com 100% de certeza que essa senhora está mentindo. Lamentavelmente existe uma campanha de difamação na tentativa de atingir o Ministro Marcelo Álvaro Antonio e o presidente Bolsonaro com denúncias sem fundamento", disse ele.
Outra reportagem da "Folha", no mesmo mês, dizia que uma candidata a deputada federal do PSL em Pernambuco recebeu R$ 400 mil do partido e obteve apenas 274 votos.
O PSL é o partido do presidente Jair Bolsonaro, e o presidente da sigla nas últimas eleições, Gustavo Bebianno, chegou a ser nomeado seu ministro-chefe da Casa Civil. Desgastado pelo caso e envolvido em outras polêmicas com a família Bolsonaro, Bebianno deixou o cargo em 18 de fevereiro.
O ministro Marcelo Álvaro Antônio disse ao G1, em abril, que o partido seguiu rigorosamente o que determina a legislação eleitoral. Afirmou que estava à disposição da Polícia Federal para prestar todas as informações necessárias e que se ofereceu espontaneamente para prestar depoimento às autoridades.

fonte: G1

12 comentários:

  1. aí você gosta hein lulão!!???

    ResponderExcluir
  2. defender bandido é contigo mesmo!

    ResponderExcluir
  3. HOJE, O GOVERNO BOLSONARO FECHOU ACORDO HISTÓRICO COM A UNIÃO EUROPÉIA.

    ESSE ACORDO ERA TENTADO DESDE 1999 E SÓ AGORA, COM UM NOVO PRESIDENTE DE CONFIANÇA E QUE MERECE CREDIBILIDADE, O ACORDO COMERCIAL FOI FECHADO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente esse acordo é histórico entre o Mercosul e a União Europeia.
      Os governos anteriores do Brasil e de países vizinhos eram da esquerda e os europeus não confiam em comunistas e em líderes corruptos, por isso os acordos eram recusados.
      Ainda bem que agora temos um governo honesto e conseguimos esse acordo que vai gerar muitos empregos para os brasileiros.

      Excluir
  4. PSL: Partido Só de Laranja
    171

    ResponderExcluir
  5. Engraçado!!! Pensei que era só o PT que tinha ladrão e corrupto!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente era só o PT que tinha corruptos, mas eram tantos que teve que exportar para outros partidos de Esquerda e do Centrão.

      Os poucos corruptos que conseguiram entrar disfarçados no PSL, partido de Direita, estão sendo identificados e serão expulsos, até porque no PSL ninguém tem corrupto de estimação.

      Excluir
  6. É melhor Jair se acostumando

    ResponderExcluir
  7. Engraçado 50% dos ministros do pt foram investigados e acusados , só não se sabe oq não estão presos, o presidente do pt está preso, mais se alguém do partido do Bolsonaro apronta culpam ele,
    Ele é o presidente e não o pai dos corruptos

    ResponderExcluir
  8. Engraçado 50% dos ministros do pt foram investigados e acusados , só não se sabe oq não estão presos, o presidente do pt está preso, mais se alguém do partido do Bolsonaro apronta culpam ele,
    Ele é o presidente e não o pai dos corruptos

    ResponderExcluir
  9. Engraçado 50% dos ministros do pt foram investigados e acusados , só não se sabe oq não estão presos, o presidente do pt está preso, mais se alguém do partido do Bolsonaro apronta culpam ele,
    Ele é o presidente e não o pai dos corruptos

    ResponderExcluir
  10. A diferença é que mesmo no partido tem que ser investigado pq com luladrao não era

    ResponderExcluir

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK