CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

O VATICANO É UMA "ORGANIZAÇÃO GAY" - O POLÊMICO LIVRO QUE DIZ REVELAR A CORRUPÇÃO E A HIPOCRISIA NA IGREJA.

Após celebrar missas em igrejas do Vaticano e pendurar as batinas, "milhares" de padres saem para curtir a noite gay de Roma. 
De acordo com Martel, grande parte dos padres do Vaticano são homossexuais
É o que afirma o jornalista francês Frédéric Martel no livro No Armário do Vaticano, que tem lançamento mundial marcado para esta quinta-feira, mesmo dia em que os principais líderes da Igreja Católica se reúnem para discutir uma estratégia contra o abuso sexual de menores.
"O texto é resultado de uma investigação que realizei por mais de quatro anos, em que viajei por vários países e entrevistei dezenas e dezenas de cardeais, bispos, padres, seminaristas e pessoas muito próximas ao Vaticano", afirmou o autor à BBC News Mundo.
É uma narrativa que denuncia, segundo a sinopse do livro, a "corrupção e a hipocrisia" dentro do
catolicismo romano, que condenou a homossexualidade durante séculos.
Livro denuncia, segundo a sinopse, a 'corrupção e hipocrisia' dentro do catolicismo romano
Martel afirma que, por condições históricas e sociais, o sacerdócio foi uma fuga para centenas de jovens vítimas de bullying em seus povoados por causa da orientação sexual e que, portanto, a Igreja é agora, no seu ponto de vista, uma instituição formada "principalmente" por pessoas homossexuais.
"À medida que avancei na pesquisa, descobri que o Vaticano é uma organização gay no nível mais alto, uma estrutura formada em grande parte por pessoas homossexuais que durante o dia reprimem sua sexualidade e a dos outros, mas à noite, em muitos casos, pegam um táxi e vão a um bar gay", afirma o escritor.
Uma de suas fontes chegou a garantir que 80% dos padres no Vaticano são homossexuais - dado que ele não conseguiu confirmar.
Porém, o autor diz que um dos fatos que chamou sua atenção foi a "banalidade da vida gay" para "milhares" de sacerdotes, "que não saíram do armário para a organização" e "estão presos no próprio sistema" - mas, ao mesmo tempo, desfrutam do que criticam no altar.
O Vaticano não respondeu à solicitação de comentário feita pela BBC News Mundo sobre o livro e as acusações que o autor fez nesta entrevista a respeito da instituição.
No entanto, o renomado teólogo jesuíta James Martin questionou os métodos utilizados por Martel para checar os dados e depoimentos.
"Martel fez uma pesquisa impressionante para seu novo livro e apresenta algumas ideias importantes sobre hipocrisia e homofobia na igreja", disse ele à BBC News Mundo.
"Mas essas ideias estão enterradas sob uma avalanche de intrigas e insinuações pesadas que arrebatam o leitor e tornam difícil discernir os fatos da ficção", acrescenta.
Sacerdócio e homossexualidade.
'O abuso sexual não está relacionado com a homossexualidade, pode acontecer dentro de famílias heterossexuais, e a maioria das vítimas no mundo são mulheres', diz Martel
A partir desta quinta-feira, mais de 190 cardeais, bispos e outras autoridades da Igreja Católica se reúnem no Vaticano para decidir o que fazer diante da onda de denúncias de abuso sexual que surgiram contra padres em quase todo o mundo.
Dentro da ala mais à direita da instituição, uma das acusações mais frequentes é associar a ocorrência desses crimes à homossexualidade dos padres.
Na última terça-feira, dois cardeais conservadores dos Estados Unidos e da Alemanha enviaram uma carta aberta ao papa Francisco pedindo o fim do que chamam de "praga da agenda homossexual" e que os bispos deixem de ser cúmplices de casos de abuso sexual.
Mas, de acordo com Martel, que é assumidamente gay, o problema dentro da Igreja não é a orientação sexual dos padres, que é um assunto privado, mas usar "dois pesos e duas medidas" para tratar a questão da sexualidade.
"O abuso sexual não está relacionado com a homossexualidade, pode acontecer dentro de famílias heterossexuais, e a maioria das vítimas no mundo são mulheres. Agora, se você olhar dentro da Igreja, a maioria dos abusos são cometidos por padres homossexuais", diz ele.
O que acontece, segundo Martel, é que uma suposta "cultura de sigilo" existente na Igreja leva ao encobrimento dos abusos.
"Como muitos bispos são gays, eles têm medo de escândalos, da imprensa e, no fim das contas, deles mesmos. Eles protegem os agressores não para encobrir os abusos, mas para que não descubram que eles mesmos são homossexuais. Não estão apenas protegendo o agressor, estão se protegendo", diz ele.
'À medida que avancei na pesquisa, descobri que o Vaticano é uma organização gay no nível mais alto', afirma Martel
Na opinião de Martel, isso não só fez com que, durante anos, os abusos fossem encobertos, mas que muitos cardeais, bispos e padres se tornassem críticos fervorosos da homossexualidade.
"O que eu descobri é que, em muitos casos, quanto mais críticos em relação à homossexualidade, mais lasciva era a vida oculta deles como gays", diz ele.
E o que acontece na América Latina?
Ao longo de mais de 500 páginas, o livro afirma que essa situação não é exclusiva do Vaticano - também acontece em Igrejas de muitos outros países, inclusive da América Latina.
"Estive várias vezes na Argentina, em Cuba, no México, no Chile e na Colômbia, e o que descobri foi que a situação não era muito diferente da do Vaticano", diz ele.
Martel afirma que um denominador comum entre alguns desses países era uma relação "insólita" entre a cúpula religiosa e militar, seja décadas atrás nos governos de fato da Argentina e do Chile, nos tempos da guerrilha da Colômbia ou, mais tarde, no regime de Fidel Castro em Cuba.
"Na maioria desses casos, havia uma cumplicidade entre a Igreja e esses governos ou forças que fizeram com que a homossexualidade e os abusos dos padres fossem encobertos nesses países", sinaliza.
No México, um dos casos mais notórios é o do fundador da Legião de Cristo, Marcial Maciel, mas ele também descobriu outros menos conhecidos, como o do falecido cardeal colombiano Alfonso López Trujillo.
De acordo com o livro, o pároco rondava seminaristas e jovens sacerdotes e contratava garotos de programa rotineiramente.
Para o seu livro, Martel entrevistou 41 cardeais, 52 bispos e núncios apostólicos, além de 200 padres, seminaristas, jornalistas e diplomatas
Ao mesmo tempo, pregava os ensinamentos da Igreja de que todos os homens gays eram "intrinsecamente desordenados" e questionava o uso de preservativos.
E apesar de Martel dizer que chegou a se encontrar com garotos de programa contratados pelo falecido cardeal, muitos críticos do livro questionam que a maioria das acusações carece de evidências sólidas ​​e é baseada apenas em "fofocas" e "disse me disse".
Outros também afirmam que o texto poderia levar a uma "caça às bruxas" contra padres homossexuais ou promover estereótipos negativos, porque de acordo com Martin "é mais fácil buscar bodes expiatórios do que confrontar a hipocrisia e a cultura do sigilo" dentro da Igreja.
Para outros, o livro é a revelação do que muitos consideram um "segredo aberto" e poderia ser um convite para mudar as estruturas estagnadas do Vaticano.
"A Santa Sé deve ser um modelo para todas as dioceses do mundo, incluindo a seleção e monitoramento de seus próprios membros. E, neste momento, não é", afirmou à BBC o monsenhor Stephen J. Rossetti, professor na Universidade Católica dos Estados Unidos.
"Eles devem fazer um trabalho melhor para garantir que seus padres sejam fiéis ao voto de celibato. Também devem ser mais agressivos, especialmente quando confrontados com clérigos homossexuais que não são celibatários. Houve vários casos recentemente e vai continuar havendo escândalos até que eles se encarreguem disso", acrescenta.

Fonte:  Lioman Lima
BBC News Mundo

17 comentários:

  1. Daí depois os evangélicos que são ruins, essa doutrina dos padres não poder casar eu acho errado, se Deus fez o homem para a mulher, e pra quê ficarem "biatos" e fazer as coisas erradas, eles mesmos se prejudicam... #Diga_não_ao_homossexualismo... Deus fez o homem para a mulher não homem com homem

    ResponderExcluir
  2. Para os perfeitos dessa religiao outra amostra prem de criticar quem nao concorda com voces podridao..

    ResponderExcluir
  3. Agora os crentes fanáticos vão desce o aço nos padres ,?escondendo os TARADOS dos PASTORES. Hoje a lascívia chego ao limite de Gomorra.

    ResponderExcluir
  4. Corrupção e hipocrisia é esta a igreja católica que o mundo conhece.Além de idolatria a imagens que parecem não enxergar.Deus não se alegra com o papel desta e de outras igrejas que usurpam o evangelho.Umas pregam bens materiais(Universal),e essa a prática que não conferem ao evangelho.Daí a revolta de Martim Lutero.Acordem católicos...

    ResponderExcluir
  5. Engrassado, o Sumo Sacerdote Arão tinha esposa é tinha quatro filhos, dois moreram por ter oferecido a Deus fogo estranho, é ficou dois.

    ResponderExcluir
  6. Mim conta uma novidade porque isso aí já estava na cara ...
    Vcs já viram quantos escândalos envolvendo padre com mulheres ?
    99,9% são com homens por isso que esse negócio de legalizar casamento de padre nunca vai dar certo ...Só acho

    ResponderExcluir
  7. aqui em itapetinga acontece muito isso,por medo vergonha,eu me omity ,eu choro sofro ,mas e uma realidade ardua e dura que devemos encarar ,todos os dias.

    ResponderExcluir
  8. Igreja que sempre escondeu os abusos sexuais praticados pelos padres e bispos.

    ResponderExcluir
  9. Detesto o cristianismo essa crença pagã que por sua vez foi criada a partir o primeiro messias "orus do Egito". Outro fator que me de ensandecido é um membro da igreja católica não ser preso por abuso sexual, quem julga é a própria igreja católica. Se um pastor cometer tal ato o poder judiciário o condena.

    ResponderExcluir
  10. Apocalipse 17

    5. Na sua testa estava escrito um nome que tem um significado secreto: “A grande Babilônia, mãe de todas as prostitutas e de todas as pessoas imorais do mundo.”

    ResponderExcluir
  11. Padre n é santo n. É a profissão que ele escolheu que é ser padre, todo mundo peça, pra que jogar pedras, tanta mulher traindo marido e tanto homem traindo mulher, os padres deveriam casar sim, sexo n é pecado

    ResponderExcluir
  12. Parabens santos evangelicos do pau ocoaté parece que voces tambem não os fazem, a Nosa Igreja esta passando uma fase de limpesa e vcs que nos apontam o dedo

    ResponderExcluir
  13. Mesmo lendo rapidamente, dá prá ver que esse pesquisa é questionável. Eu não compraria esse livro picarareta. O Vaticano não é esse antro de abominação como ele diz. O celibato religioso não é dogma. Os que condenam o celibato, o condenam sem o menor fundamento por não conhecer os seus princípios. Acusam o rei Davi como sendo gay e até o próprio Jesus, por ser celibatário.

    ResponderExcluir
  14. Mesmo lendo rapidamente, dá prá ver que esse pesquisa é questionável. Eu não compraria esse livro picarareta. O Vaticano não é esse antro de abominação como ele diz. O celibato religioso não é dogma. Os que condenam o celibato, o condenam sem o menor fundamento por não conhecerem os seus princípios. Acusam o rei Davi como sendo gay e até o próprio Jesus, por ser celibatário.

    ResponderExcluir
  15. O autor do livro como diz o texto acima é bicha assumida. E ai querer generalizar todo mundo. Em toda instituição existem pessoas boas e más. A Igreja Católica é santa. Infelizmente alguns membros caem em tentação.

    ResponderExcluir
  16. Errar é humano, mas aprender com o erro é divino, quem nunca pecou, q atire a primeira pedra. Padre é um ser humano, como qualquer outra pessoa.

    ResponderExcluir
  17. Que pena dos ignorantes doutores da justiça e da palavra, a nossa igreja é única e satanás nenhum vai denegrir a imagem dela por deslizes e pecados dos bispos e padres, o papa Francisco tá fazendo uma limpeza retirando toda podridão e sujeiras, tolerância zero pra esse tipo de abuso. Outra coisa placa de igreja não salva ninguém, a salvação é individual e todos vão responder por suas ações, esses que se dizem os certinhos são os piores tantos pastores traficantes de drogas e armas se escondem por trás de uma Bíblia e muitos abusam de suas obreiras e ninguém fala disso, então critique todos em geral pq se for olhar nesse sentido, não salva ninguém meu irmão, mas não vamos generalizar pq existem muitos padres e pastores tementes a Deus e obedientes a sua palavra.

    ResponderExcluir

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK