CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

PATROCINE O BLOG MAIS ACESSADO DE ITAPETINGA

PATROCINE O BLOG MAIS ACESSADO DE ITAPETINGA

FRIGORÍFICOS SUDOESTE

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

PAX PERFEIÇÃO

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

TATHIAGO DIGITAL - TUDO EM ELETRÔNICOS!

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

segunda-feira, 13 de março de 2017

ABRACE SEUS PAIS ENQUANTO ESTÃO AQUI... "TREM BALA" UMA LETRA QUE FALA DO ESSENCIAL.

Por FABIOLA SIMÕES*
A música “Trem Bala”, de Ana Vilela, tomou conta das redes sociais. A melodia é doce, e a letra fala do essencial. Do tempo que corre apressado, da necessidade de cuidarmos bem uns dos outros, da busca pelo que é realmente importante.
Não por acaso, a estrofe que diz: “Segura teu filho no colo/ sorria e abrace teus pais enquanto estão aqui…” é o trecho que mais me comove, justamente por ir de encontro ao que acredito.
A vida passa num segundo. Num instante estamos vivendo as primeiras histórias, e no instante seguinte estamos nos despedindo de quem amamos.
É preciso não adiar os abraços que temos a oferecer, os colos que podemos proporcionar, os sorrisos que podemos distribuir, os beijos que podemos dar.
A vida não espera termos maturidade suficiente até que possamos valorizar um terno abraço em nossos pais
ou um colo de urso aos nossos filhos.
É preciso sugar o tempo com sabedoria. Entender que trabalho, compromissos e obrigações são importantes, mas jamais poderão ser tratados como prioridades.
Priorizar é reconhecer aquilo que é essencial, o que tem valor, o que deve vir em primeiro lugar. É autorizar a presença de alguém em nossa vida e, ao perceber que esse alguém tem importância, zelar pela relação com respeito, cuidado e carinho. É entender que o tempo leva embora pessoas que nos são caras, e por isso não devemos atrasar nossas demonstrações de afeto, nosso querer bem, nosso “eu te amo” sincero.
Abrace seus pais enquanto estão aqui. Aproveite a companhia dos “velhos” ouvindo com atenção as histórias que carregam dentro de si; o jeito como nos olham revelando que ainda somos “suas crianças”; a maneira como se alegram quando estamos receptivos ao seu amor. 
A vida nos cobra muito. É lição do filho para ajudar a resolver, prazos apertados no trabalho, ginástica para emagrecer, roupa pra passar, chão pra limpar, check up anual, faculdade, pós graduação, trânsito e pele boa. Nesse frenesi encontramos poucas brechas para o essencial. Pouco espaço para um café com bolinhos ao lado da mãe ou filme no Netflix ao lado do pai. Faltam pausas amorosas no nosso dia. Momentos em que é preciso brecar o ritmo abusivo da rotina e abraçar a doce calmaria do encontro.
Outro dia minha mãe me esperou na casa dela e eu não fui. Apressada com as lições do filhote e prazos do blog para resolver, disse que não poderia comparecer naquela tarde. Dias depois, ela me contou que tinha colocado a mesa para um café com porcelana especial para mim e mimos para meu filho. Me despedacei. Pedi perdão, é claro, mas meu interior ainda se ressente.
Entre a infância e a velhice há um sopro de vida. Um sopro que deve ser valorizado antes que o tempo transforme promessas em arrependimento. Um instante que deve ser preenchido com saudades não consumadas, abraço aguardado, coragens necessárias, afetos declarados, gentilezas insistentes e acenos temporários.
Sempre me pergunto quanto tempo dura uma vida inteira. Talvez menos do que a gente gostaria e nunca o suficiente para termos realizado tudo. Por isso torna-se primordial não adiar o essencial: café na caneca de ágata, menino na cadeira espiando a mãe fazendo bolacha de nata, sensibilidade revelada durante música antiga, amor vivido, arrependimento esquecido, saudade dizimada, mágoa dissipada, perdão concedido e, principalmente, abraço apertado em nossos pais…
 



Texto de: FABIOLA SIMOES
Fabíola Simões não é jornalista nem publicitária, mas desde menina adora bordar histórias. Dentista por formação e profissão, inventa enredos no blog "A Soma de todos os Afetos" www.asomadetodosafetos.com No facebook: ASomaDeTodosOsAfetos No instagram: @asomadetodosafetos.

9 comentários:

  1. AMO DEMAIS ESSA MÚSICA...NOS FAZ REFLETIR...

    ResponderExcluir
  2. Que vídeo lindo,gostei muito é a mais pura verdade.

    ResponderExcluir
  3. linda essa música, como eu gostaria que meu pai estivesse aqui,amanha fará 2 anos que ele nos deixou e eu não tive tempo de da o último abraço.

    ResponderExcluir
  4. Porra de trem bala.
    ta pagando pau pro Japão. ...
    nossa realidade é outra.
    É acordar 4 da manhã pegar trem lotado chegar no trampo.
    Fim de tarde pegar trem lotado d novo pra voltar pra casa. Assim segue. . .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, já te falei pra parar com essas pedras.Tu não tá mais raciocinando.

      Excluir
    2. Verdade amigo!
      Aqui nem tem trem bala né?
      É só no Japão mesmo...
      Cada uma kkkkkkkk

      Excluir
    3. Seus burros! Trem bala aqui é só uma comparação. Vão estudar. É por isso que a educação está aí refletindo só burrices.

      Excluir
  5. Botino, Só gostaria de comentar sobre o ocorrido com tua mãe. A questão de você não ter ido à casa dela, dentre tantas outras coisas na vida e de tantas outras pessoas é que também o mundo nos cobra bastante.Vivemos em um mundo muito capitalista em que só se pensa em produzir coisas e capitais, dindin, money, moeda, e as pessoas perderam o valor do humano, do indivíduo e acabamos por dedicar mais às coisas que às pessoas. Na verdade, dedicar às pessoas Tornou-se um incômodo para muitos, até porque, as relações são mais virtuais que reais. O que importa para este mundo, é o quanto vamos render para a sociedade ou para a empresa. Somos na verdade produto do capitalismo pra gerar mais capitalismo. E muitos queixam do capitalismo existente que vai gerar competição. Logo capitalista não é só o Tio Patinhas que tem muito dinheiro, mas é também o Pato Donald que é invejoso. Também... é a única saída dele para expressas que tem poder...Quero ver quem hoje é que estuda para ajudar os outros, principalmente quando se estuda o curso de Medicina. Pensa-se logo: "Estou estudando para ter garantia de vida, para me emancipar e estabilizar", mas ninguém diz: "Vou estudar Medicina para salvar vidas", até porque se alguém disser isso, vai mesmo ser tachado como otário, mentiroso e hipócrita. Hoje, o que importa é ter estabilidade financeira, e com isso, o valor do ser humano está se esvaindo a cada dia que passa. Fico pensando estas coisas e muito triste como acontecem as relações humanas. Entendo que não somos culpados de muita coisa, mas para para soblevar sobre estes desvalores, é preciso ter consciência, maturidade e determinação. Quando alguém morre por exemplo, se destaca muito os seus feitos e não o que ela é enquanto personalidade, sem falar que depois que morre, vira "santo", mesmo sendo uma pessoa ruim. E se você já não serve, torna-se inútil e sem valor. E assim vamos andando no "Trem bala da vida".

    ResponderExcluir
  6. Essa música eu recebi pelo zap momento mais difícil da minha vida pois meu pai não estava bem estava me sentindo destruída e essa música de uma certa forma me fez vê a vida de uma outra forma

    ResponderExcluir

ITAPETINGA AGORA O BLOG MAIS ACESSADO DO MÉDIO SUDOESTE DA BAHIA

Redação e Edição: Tiago Bottino J. Brige
whatsApp: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK