CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

LOJAS PREMIADAS NA REGIÃO

LOJAS PREMIADAS NA REGIÃO

FRIGORÍFICOS SUDOESTE

FRIGORÍFICOS SUDOESTE

MORUMBI PNEUS - NO PARQUE DA LAGOA!

MORUMBI PNEUS - NO PARQUE DA LAGOA!

FEIRA DO LAR

FEIRA DO LAR

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

AMERICANA FAZ FESTA DE DESPEDIDA DOS AMIGOS ANTES DA MORTE POR "EUTANÁSIA"

COM RARA DOENÇA DEGENERATIVA, BETSY DAVIS, 41 ANOS, PREFERIU MORRER DO QUE CONTINUAR SOFRENDO.
Betsy Davis, que se matou em julho deste ano para não passar pela dor dos estágios finais da ELA - Niels Alpert / AP
SAN DIEGO, Estados Unidos - No começo de julho, Betsy Davis mandou convites por e-mail para seus amigos mais próximos e parentes para convidá-los para uma festa de dois dias, dizendo: "As circunstâncias são completamente diferentes de qualquer festa que vocês viram antes: esta vai exigir resistência emocional, foco e mente aberta".
E apenas uma regra: ninguém podia chorar na frente dela.
A artista de 41 anos sofria de esclerose lateral amiotrófica (ELA), a rara doença degenerativa que ficou mundialmente conhecida graças ao "desafio do balde de gelo", em 2014. Betsy idealizou a
reunião para dizer adeus antes de se tornar uma das primeiras pessoas na Califórnia a utilizar a lei estadual que, aprovada naquele mesmo mês, permite que pacientes terminais recorram à eutanásia.
Betsy Davis
"Para mim e todos os outros que foram convidados, foi muito difícil pensar nisso, mas não havia chance de não ir", conta o amigo Niels Alpert, um cinematografo de Nova York, segundo a agência de notícias Associated Press. "A ideia era ir e passar um lindo fim de semana que culminaria num suicídio. Não é algo normal, não é algo normal do dia a dia. Em meio a diversão, sorrisos, risadas, tinha um pano de fundo, um clima de que sabíamos o que viria", diz ele.
Betsy planejou uma agenda detalhada para o encontro do fim de semana de 23 e 24 de julho, inclusive as horas precisas em que entraria em coma, e dividiu esses planos com seus convidados nos convites.
Mais de 30 pessoas foram à festa numa casa com uma varanda contornando toda a construção, na pitoresca cidade de Ojai, nas montanhas do Sul da Califórnia. Os convidados vieram de Chicago, de Nova York e de toda a Califórnia. Uma mulher trouxe um violoncelo. Um homem tocou gaita. Houve drinques, pizza do restaurante favorito da anfitriã e uma exibição de "A Dança da Realidade", do diretor chileno Alejandro Jodorowsky, um dos filmes favoritos dela. 
Com o fim de semana se aproximando do fim, os amigos a beijaram e se despediram, se juntaram para um foto e foram embora. Betsy foi empurrada na cadeira de rodas para uma cama numa colina próxima, onde tomou uma combinação de morfina, pentobarbital e hidrato de cloral.
'Claro que foi duro'
Betsy se despedindo dos amigos, antes da morte
Kelly Davis, irmã de Betsy, diz que amou a ideia dela para a festa, que Betsy chamava de "um renascimento". "Claro que foi difícil para mim. Ainda é difícil para mim. O pior era ter que sair da sala de vez em quando, porque eu ia começar a chorar. Mas as pessoas entenderam. Elas entenderam o quanto ela estava sofrendo e que ela estava bem com o que estava fazendo. Eles respeitaram isso e sabiam que ela queria que fosse uma ocasião feliz", diz ela.
Betsy deu fim a sua vida pouco mais de um mês após começar a valer na Califórnia uma lei que permite que pacientes de doenças terminais optem pela eutanásia. Outros quatro estados americanos tem leis semelhantes.
Críticos da lei na Califórnia fizeram lobby contra a sua aprovação, dizendo "apressar a morte" era moralmente errado, que isso deixa pacientes terminais em risco, já que poderiam ser coagidos por parentes, e também que poderia se tornar uma escolha para pessoas sem seguro de saúde e com medo de deixar altas contas médicas para a família.
Betsy passou meses planejando sua morte. E se sentiu bem fazendo isso, especialmente após passar os últimos três anos perdendo, gradativamente, o controle do seu corpo. Já não conseguia pintar, por exemplo, e muito menos fazer performances. Não conseguia escovar os dentes ou sequer se coçar. Seus acompanhantes tinham que traduzir sua fala arrastada para os outros.
Na festa, velhos amigos se reconectaram, e Betsy entrava e saía das várias salas em sua cadeira de rodas elétrica. Em um momento, ela chamou amigos para seu quarto para vestirem roupas que ela tinha escolhido para eles. Todos vestiram, para risadas gerais. 
Convidados também receberam "souvenires da Betsy", uma pintura, produto de beleza ou outra lembrança. Cada um tinha uma notinha explicando seu significado.
Usando um quimono japonês que comprou numa "lista de coisas para fazer antes de morrer" logo após ser diagnosticada, em 2013, Betsy viu seu último pôr-do-sol e tomou os medicamentos às 18h45m, ao lado de seu médico, acompanhante, massagista e sua irmã, que segurava sua mão. Quatro horas depois, morreu.
Seus amigos se reunirão em junho do ano que vem, no seu aniversário, para espalhar suas cinzas.
Fonte: AP - Globo

8 comentários:

  1. Quando a família descobrir que há métodos alternativos e possíveis formas de cura, todos se lamentariam. Eu luto pela vida e ponto final!!

    ResponderExcluir
  2. admiro os médicos,os pesquisadores e cuidadores que lutam pela vida.. Deus nos manda lutar contra a morte crendo nele..jogar o pano é uma coisa.. suicidar-se é outra..se essa cultura ou a falta dela,pega,estamos lascados..quantas pessoas sobreviveram em situaçoes mais desesperadoras ainda.. me desculpem.. luto pela vida,quando a morte chegar enfrentaremos com a certeza de Deus..

    ResponderExcluir
  3. Vão estudar seus ignorantes, e vamos deixar este romantismo falso de lado.

    ResponderExcluir
  4. Ela não lembrou de Deus,Deus dá a última resposta,ele é o dono da vida,é ele que dá e tira a vida,a última resposta vem do todo poderoso,ele é o médico dos médicos.

    ResponderExcluir
  5. Todos têm o direito de defender, seja lá o que for, depois de ter passado por tal situação. De boca todo mundo é bom.

    ResponderExcluir
  6. Criticar é fácil, quero ver calçar os sapatos que ela caminhou e fazer o mesmo percurso que ela. Aí sim depois vocês faça suas críticas!
    Só ela sabe a dor e o sofrimento que ela estava, então ela fez o que era melhor pra ela. Que descanse em paz!

    ResponderExcluir
  7. nao perdi nada.. nunca gastei um centavo com ela..

    ResponderExcluir

ITAPETINGA AGORA MAIS DE 18 MILHÕES DE ACESSOS www.itapetingaagora.com

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK