CONTADOR GOOGLE: 16 MILHÕES DE ACESSOS!

CURTA O ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

PAX PERFEIÇÃO - QUEM É VIVO SE ASSOCIA!

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

O SINDICATO DOS TRABALHADORES DA AZALÉIA

KITANDA E MERCEARIA MOTA - Direção MIRALDO MOTA

SUPERMODA - NA ALAMEDA RUI BARBOSA

SUPERMERCADO ADONAI - AV. AMÉRICO NOGUEIRA, CLODOALDO

segunda-feira, 25 de abril de 2011

CONJUNTIVITE - SURTO ASSUSTA O BRASIL

NAS ÚLTIMAS SEMANAS OCORRERAM O CRESCIMENTO DE CASOS DA DOENÇA EM ITAPETINGA E NA REGIÃO SUDOESTE.
O Centro Nacional de Epidemiologia - Cenepi, da Fundação Nacional de Saúde foi notificado pelas Secretarias Estaduais de Saúde de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Bahia sobre a ocorrência de surtos de conjuntivite aguda. Os casos iniciaram no final de fevereiro e até abril, o total é de aproximadamente, 184.840 mil casos.
O quadro clínico varia de leve a moderado e
se caracteriza por afecção ocular uni ou bilateral, hiperemia, lacrimejamento e sensação de corpo estranho. Hemorragia conjuntival, dor ocular e edema palpebral têm se apresentado nos casos mais severos.
Foi identificado como agente etiológico em algumas amostras de pacientes, o enterovírus 70, que tem sido associado, em alguns casos à conjuntivite hemorrágica.
A conjuntivite causada pelo enterovírus 70 tem alta transmissibilidade e se dá por meio do contato direto com secreções oculares de uma pessoa infectada e de maneira indireta por meio de superfícies, instrumentos ou soluções contaminadas. É freqüente a transmissão nosocomial, em escolas e creches, bem como a disseminação secundária no núcleo familiar. As conjuntivites virais agudas são quase sempre autolimitadas,
 durando em torno de 7 a 14 dias.
A conjuntivite causada pelo enterovírus 70 tem alta transmissibilidade e se dá por meio do contato direto com secreções oculares de uma pessoa infectada e de maneira indireta por meio de superfícies, instrumentos ou soluções contaminadas. É freqüente a transmissão nosocomial, em escolas e creches, bem como a disseminação secundária no núcleo familiar. As conjuntivites virais agudas são quase sempre autolimitadas, durando em torno de 7 a 14 dias.
Embora se trate de doença geralmente benigna, a rápida disseminação, com comprometimento de um grande número de pessoas, além da falta de diagnóstico etiológico especifico põe em alerta os serviços de saúde. Uma adequada assistência aos casos é necessária para confirmar o diagnóstico clínico e descartar outras doenças que cursam com conjuntivite durante a sua evolução, bem como para evitar complicações.
Visando controlar o surto, prevenir a sua disseminação e identificar o agente etiológico, o Cenepi recomenda as seguintes ações.
1. Assistência:

Organizar a rede assistencial geral e especializada (oftalmologia)
Uma adequada assistência médica deverá ser garantida visando ao diagnóstico clínico e tratamento adequado dos casos.
Orientar os profissionais de saúde (médicos)
Além das complicações imediatas das conjuntivites do tipo ulceração corneana, blefarite e hemorragias conjuntivais, os profissionais de saúde devem estar atentos a complicações em médio prazo. Embora pouco freqüentes, um aumento de casos de meningites assépticas algumas semanas após a conjuntivite é possível, como complicação das conjuntivites de etiologia viral.

2. Medidas de prevenção e controle
Medidas de higiene pessoal em centros de assistência, bem como o tratamento adequado dos casos constituem as principais medidas de prevenção.
Recomenda-se:
Orientar a população quanto a:
- procurar assistência médica na ocorrência de sinais e sintomas de conjuntivite, evitando a automedicação.
- aspectos de higiene pessoal, principalmente quanto à lavagem de mãos freqüente e uso e descarte de lenços descartáveis.
- uso individual de toalhas, maquiagem para os olhos, soluções oftálmicas e outros medicamentos de uso ocular.
- troca diária de fronhas.
- evitar freqüentar locais aglomerados quando da ocorrência de sinais e sintomas de conjuntivite: creches, escolas e local de trabalho.

Orientar os profissionais de saúde quanto a:
- lavagem de mãos antes e depois do atendimento de pacientes.
- uso de luvas estéreis durante o exame oftalmológico e durante a coleta de amostras com descarte adequado das mesmas.
- esterilização sistemática de instrumentos utilizados para exame oftalmológico e/ou procedimentos diagnósticos.
- organização de instalações para o atendimento e diagnóstico reduzindo ao mínimo possível o contato entre indivíduos infectados e não infectados e com outros pacientes, com devida precaução com imunocomprometidos.
- desinfecção de salas de atendimento.

3. Fortalecer a vigilância e sistematizar a coleta e análise de dados

Além do estabelecimento do fluxo de notificação de casos de conjuntivite é fundamental organizar um sistema de coleta e processamento de dados.
Visando à caracterização do surto, sugere-se que os estados/municípios selecionem uma unidade de atendimento com dados referentes a: UF, Município, idade, sexo, data do início dos sintomas e data da notificação e sejam coletados de forma sistemática.
A análise dos dados deverá estar orientada para caracterizar o surto em tempo, lugar e pessoa, bem como para acompanhar a sua evolução. Relatórios periódicos situacionais deverão ser encaminhados aos diversos níveis e deverão conter as seguintes informações:
- número de casos por semana epidemiológica (tabelas e curva epidêmica);
- número de casos e taxa de ataque por Município (tabelas);
- número de casos e taxas de ataque no Município por idade e sexo (tabelas e gráficos);
- número de complicações.

Aos estados/municípios com interesse em realizar investigações epidemiológicas mais aprofundadas, sugere-se a realização de estudo de caráter prospectivo em uma ou duas unidades de saúde, que vise a caracterizar o surto incluindo os aspectos clínicos, identificar o agente etiológico e determinar as complicações por meio do acompanhamento dos casos. Um exemplo de ficha de coleta de informação encontra-se no anexo 1.

4. Providenciar comunicados informativos e oportunos para todas as audiências relevantes (comunidade, serviços de epidemiologia e profissionais de saúde).

Fonte: Portal da Saúde/Ministério da Saúde

10 comentários:

  1. essa parada arde demais viu vey

    ResponderExcluir
  2. Verdade, DEUS PROTEJA MEU OLHOS.

    ResponderExcluir
  3. deixa de frescura e acc o comentário do povo aii
    por issi q gosto de THIAGO

    ResponderExcluir
  4. eu td pequei vei isso e ruim de mais meu deus

    ResponderExcluir
  5. e eu que quero pegar pra ver como que é a sensacao

    ResponderExcluir
  6. humhumhum arde que nem limão...rsrsrs

    ResponderExcluir
  7. É HORRIVEL, EU FIQUEI FEBRIL, TIVE DOR DE CABEÇA

    ResponderExcluir
  8. Essa porcaria parece que naum vai acabar nuncaa..que porra

    ResponderExcluir
  9. Essa porcaria parece que naum vai acabar nuncaaa,,como ardee

    ResponderExcluir

MATÉRIAS ASSINADAS , com FONTE, são de responsabilidade de seus autores.

contatos blog: whats: (77) 98128-5324

ITAPETINGA AGORA NO FACEBOOK